24 A 26 DE ABRIL DE 2018

FACULDADE DE CIÊNCIAS E LETRAS

UNESP ASSIS

Conferência: “Bakhtin e os multiletramentos: textos multissemióticos em sala de aula

É incontestável que o perfil da sociedade contemporânea tem se alterado muito e velozmente nos últimos anos e por vários motivos distintos e simultâneos. A sociedade é constituída por diferentes culturas e nela são gerados diferentes tipos de textos em diversas linguagens; a linearidade e a dicotomia antes dominadoras (dos valorizados, globais, eruditos, canônicos x desvalorizados, locais, populares, de massa) dão lugar à não linearidade e à pluralidade, ao diverso de culturas e de textos (ROJO, 2012). Os textos multissemióticos são constituídos de pluralidade cultural, refletindo-a e refratando-a, como já defendia o Círculo bakhtiniano (Bakhtin/ Volochinov, 1995.) Assim, entendemos que os multiletramentos (multissemioses e multicurlturalidades), mediados pelas TDICs, dão visibilidade instantânea e viral à relação simbiótica entre culturas e textos/discursos, como jamais ocorrera em gerações anteriores às tecnológicas via internet. Portanto, as questões de letramentos/multiletramentos em contexto multicultural e práticas de linguagem perpassam todos as esferas de comunicação humana, incluindo a acadêmica que, por excelência tem o papel epistemológico de estudá-las e compreendê-las com criticidade; e a escolar, uma vez que é o lugar por excelência que abriga “letramentos múltiplos e muito diferenciados, cotidianos e institucionais, valorizados e não valorizados, locais, globais e universais, vernaculares e autônomos” (ROJO, 2009, p. 106-107). Neste contexto, perguntamo-nos: será que uma teoria – bakthiniana – concebida no início do século passado dá conta dos multiletramentos contemporâneos? Para dar uma resposta provisória a este questionamento, inicialmente, visamos neste trabalho a: 1) apresentar levantamento preliminar das pesquisas que tematizam Bakhtin e os multiletramentos; 2) ilustrar a potência das concepções bakhtianas mediante recortes de análises; e 3) apresentar práticas docentes, cujos norteadores são Bakthin e os multiletramentos.

Convidada: Rosineide de Melo (Fundação Santo André)

Pós-doutorado em Linguística Aplicada pelo Instituto de Estudos da Linguagem - IEL, Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP (2014). Doutorado (2006) e Mestrado (2001) em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem pelo Programa de Pós-graduação em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem - LAEL, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC-SP. Pós-graduação em Metodologia do Ensino Superior pelo Centro de Pós-Graduação da Fundação Santo André (1995) e em Psicologia Organizacional pelo Instituto Metodista de Ensino Superior (1991). Graduação em Letras, Licenciatura Português/ Inglês pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Fundação Santo André (1989). Licenciatura em Pedagogia pela Universidade Cidade de S. Paulo - UNICID (2016). Experiência docente em cursos de graduação e pós-graduação, ministrando disciplinas de Linguística, Língua Portuguesa e Comunicação. Professora de Ensino Fundamental. Professora da fundação Santo André e da Il Sole Escola de Ensino Fundamental. Desenvolvo pesquisa na área de Linguística Aplicada, enfocando a teoria/análise dialógica do discurso, com temas relacionados a: linguagem, gêneros do discurso e multiletramentos.

Copyright © 2016 GED