24 A 26 DE ABRIL DE 2018

FACULDADE DE CIÊNCIAS E LETRAS

UNESP ASSIS

Home

GED

Comunicações Individuais: 26/04

Localização: Prédio 1 Sala 5 - 14h – 16h                                                          26/04/18

Eixo Temático: Análise Dialógica do Discurso

 

Titulo da comunicação: REPRESENTAÇÕES TEXTUAIS DISCURSIVAS DE PAPÉIS SOCIAIS: OS MONGES - REGIÃO SUL

Autora: Sueli Terezinha de Oliveira (UnC – PUC-SP)

Resumo: Esta comunicação situa-se na área da Análise Crítica do Discurso, tem por tema as estratégias argumentativas utilizadas na representação dos três monges que pregavam na região Sul, nos estados do Paraná e de Santa Catarina no período de 1989 a 1916. Têm-se como objetivo: verificar por meio das representações textuais como vai sendo construída a representação dos papéis sociais dos monges, as representações textuais dos grupos de poder (Estado) e os valores ideológicos e culturais contidos nas formas de representações sociais. Justifica-se a pesquisa, pois necessita-se de estudos críticos relacionados a esses discursos que vão sendo modificados à medida que o povo entra em conflito com o Estado, haja vista, que no discurso dos monges o tema é a liberdade e a autonomia, já no discurso do Estado é de poder de decisões e exige submissão e obediência do povo. Está fundamentada na Análise Crítica do Discurso com vertente social, a partir dos pressupostos trabalhados por Fairclough (2001) e vertente sociocognitiva da qual Van Djik (1997) é um dos maiores representantes. Interessa-nos também a análise de Moscovici (2003), cujo estudo refere-se às representações sociais. O procedimento metodológico é teórico-analítico e qualitativo e compreende a seleção de uma amostra construída com textos do discurso da História tanto acadêmico quanto pedagógico, relacionadas à Guerra do Contestado. Os resultados apresentados são parciais e participam de uma pesquisa mais ampla a respeito das diferentes formas de representações textuais-discursivas dos três monges. Os resultados atuais indicam que: há representação com avaliação positiva do 1º monge João Maria de Agostini e do 2º monge, João Maria de Jesus e com avaliação negativa, do 3º monge, José Maria de Santo Agostinho.

 

Titulo da comunicação: INTERTEXTUALIDADE DE TEXTOS MULTISSEMIÓTICOS: DIÁLOGO IMPLÍCITO ENTRE UM EPISÓDIO DE DOCTOR WHO E A MITOLOGIA DO MINOTAURO

Autora: Nathália Augusto Batista (FAAC-UNESP)

Resumo: Uma breve observação entre duas linguagens, em que o texto visual dialoga por meio do mecanismo de polifonia visual com o texto literário. O episódio Complexo de Deus da série televisiva britânica de ficção científica Doctor Who e a obra literária do mito de Teseu, o Minotauro, retratada em “As metamorfoses” de Ovídio; através de uma leitura é possível afirmar que estão implicitamente ligados por um sentido contextual na construção do discurso. A série é produzida e transmitida pela rede de televisão inglesa BBC desde 1963, que disponibiliza na terceira temporada da versão atual, o décimo episódio cujo contexto se passa dentro de um hotel em órbita no universo. As principais características do seriado têm como conceito viagem no tempo e no espaço. O lugar onde se passa a narrativa aparentemente refere-nos a um labirinto e em seu enredo, liga-nos a alguns detalhes específicos ao mito. Ao final do episódio é possível identificar implicitamente a semelhança física do vilão com o Minotauro. Cada episódio se baseia na continuidade de uma história sequencial, porém, se diferencia no contexto, o enredo é construído dentro do discurso de sentido e nas relações entre os personagens. Os elementos visuais estilísticos constituídos na narrativa do episódio da série são esclarecidos e compreendidos através da intertextualidade dos dois textos, visual e verbal. Por meio de uma análise é possível identificar o dialogismo entre uma obra e outra, destacando elementos que é necessário um conhecimento prévio do tema presente na produção audiovisual com a mitologia grega.

 

Titulo da comunicação: LEITURA NA ONDA CROSSOVER

Autor: Queila da Silva Gimenez (UNESP Assis)

Resumo: O conceito e a ocorrência da ficção crossover em obras literárias de todas as partes do mundo é detalhadamente analisado pela pesquisadora canadense Sandra L. Beckett em sua obra Crossover ficcion: Global and Historical Perspectives (2009). O ponto de partida para suas proposições é a série Harry Potter, considerada por muitos como um protótipo do gênero (Beckett, 2009, p. 1). Suas considerações, entretanto, estendem-se a clássicos da literatura mundial muito anteriores à obra de J. K. Rowling, como Viagens de Gulliver (1726), de Jonathan Swift, as Fábulas, de Esopo, as Mil e uma noites, Alice no país das maravilhas, de Lewis Carroll, entre outros. De acordo com Beckett, o termo refere-se à ficção que, visando ao público infantil, conquista o público adulto, e vice-versa. O objetivo deste trabalho é apresentar e colocar em discussão o tema da pesquisa iniciada em estudos de doutoramento a respeito dessa literatura crossover e sua notável presença entre os livros mais vendidos no Brasil nos últimos anos, segundo ranking divulgado pelo site Publishnews e pela Revista Veja. A análise de Beckett sobre o perfil crossover das obras acima citadas, bem como de inúmeras outras, são contribuições que nos dão o apoio teórico para o estudo de tal gênero ficcional, presente em títulos best-seller no mercado brasileiro da última década. Dentre eles, destacamos aqui A culpa é das estrelas (2012), de John Green, e A menina que roubava livros (2007), de Markus Zusak. A pesquisa propõe uma análise dos aspectos crossover que caracterizam essas obras, abarcando, consequentemente, temas como a literatura infantojuvenil, o conceito de infância e juventude e as relações entre literatura e mercado editorial.

 

Titulo da comunicação: O DISCURSO RELIGIOSO E A ROMANIDADE NA OBRA FACTORUM ET DICTORUM MEMORABILIAM DE VALÉRIO MÁXIMO SÉC. I E.C.

Autora: Isadora Buono de Oliveira (UNESP Assis)

Resumo: A comunicação ora proposta visa tratar de aspectos da pesquisa de doutorado em andamento. O objeto da pesquisa, que utiliza como fonte Factorum et dictorum memorabilium de Valério Máximo, busca entender a relação entre as Religião (ões) Romana(s) e seu papel na delimitação da cidadania romana presente na constituição da noção de Romanidade. A obra de Valério Máximo aborda uma série de temas e consideram a História Romana e, de acordo com seu autor, tem por objetivo congregar os principais assuntos e autores romanos. Para o estudo desta obra com tais características utiliza-se Análise Crítica do Discurso, através do modelo teórico de Norman Fairclough, tendo como premissa o discurso como prática social. Tendo em vista a forma pela qual a obra trata a Religião, é de suma importância salientar é possível identificar que é desenvolvida com fundamentos históricos e também com proposições pedagógicas. Considera-se assim, a representação da diversidade do Império em sua constituição e, consequentemente, a complexidade do período em que a obra foi escrita, durante o governo de Tibério. Nesta perspectiva, a fonte proporciona elementos para compreender os aspectos discursivos religiosos do período, assim como para a compreensão da interação sócio-político e cultural que se entrelaçavam com as posturas religiosas no início do Principado romano e a instituição do Culto Imperial. Essa pesquisa faz parte de um projeto maior desenvolvido junto ao Núcleo de Estudos Antigos e Medievais, grupo de estudos da UNESP.

 

Titulo da comunicação: AS NUANCES DO AMOR ROMÂNTICO PELA HISTÓRIA E SEU ATUAL VALOR MERCANTIL

Autor: Cleiton da Silva Rodrigues (UFG)

Resumo: Este artigo visa analisar por meio do poema Eu te amo de Chico Buarque o modo como o discurso sobre o amor se modificou ao decorrer da história, e como na contemporaneidade adquiriu sua liquidez e vulnerabilidade. A lógica de funcionamento do mercado e a velocidade com que as informações se propagam, ganham destaque e logo tornam-se obsoletas contribui para que uma visão romantizada dê lugar a efemeridade das relações. No poema, a concepção acerca do término é vista com pesar e lamento para com a falta do ser amado, visto aqui como único, o que se destoa da visão atual, no qual substituir é palavra de ordem, sinalizando a fragilidade que se passam os relacionamentos na atualidade. Com efeito vemos o quanto a durabilidade das relações está comprometida e o modo como, em seu lugar, se instauram as relações virtuais, restritas a tal espaço. A vista disso, temos que a dispersão de sentido ocorrida nesse discurso advém de alterações da forma que as relações se configuram e o âmbito em que elas acontecem, isto perpassa pelas efetivas mudanças decorrentes da industrialização que implicaram na modificação do sentido de diversos conceitos, dentre eles o amor romântico enfatizado com vigor outrora pelos poetas. Foi utilizado como referencial teórico as obras: A ordem do discurso (1971) de Michel Foucault, Amor líquido (2003) de Zygmunt Bauman, bem como outros textos auxiliares.

Localização: Prédio 1 Sala 6 - 14h – 16h                                                          26/04/18

Eixo Temático: Análise Dialógica do Discurso

 

Titulo da comunicação: CINISMO E RIDÍCULO RELACIONADOS À ESPETACULARIZAÇÃO DA POLÍTICA INSITUCIONAL

Autor: Mateus Pranzetti Paul Gruda

Resumo: A partir do entendimento de que discurso transpassa uma função comunicativa, portanto é produto (ao mesmo tempo em que, dialeticamente, também é produtor) do contexto sócio-histórico, engendrado e expressando as diferentes perspectivas ideológicas, nos debruçaremos sobre, por assim dizer, instâncias que funcionam em consonância ao discurso humorístico em geral, quais sejam: o cinismo e o ridículo. Sumariamente de forma bastante ampla, o cinismo se vale da zombaria mordaz e ácida contra aquilo que considera imoral e incorreto; enquanto o ridículo é uma consequência da quebra dos consensos comunicativos – lembremos enfaticamente que, ao se tratar de qualquer coisa correlata ao discurso do humor, uma leitura monossêmica e simplista não abarca as contradições e possibilidades dialéticas envolvidas, por isso, aqui estamos fazendo apenas um recorte genérico do o cinismo e do ridículo. Nesta proposição de apresentação de comunicação oral, relacionaremos e entrelaçaremos ambas instâncias humorísticas citadas com o contexto macro político vivenciado no Brasil, em que a espetacularização – compreendendo “espetáculo” pela chave conceitual de Guy Debord – e o humorismo, não apenas na seara do mundo político institucional, mas também nele, se fazem candentes e estruturantes das relações na atualidade. Para tal, procederemos a uma análise de alguns dos pronunciamentos realizados durante a sessão do dia 17 de abril de 2016 da Câmara dos Deputados, ocasião em que foi votada a autorização da instauração do processo de impeachment da então presidenta da república.

 

Titulo da comunicação: "BANDIDO BOM É BANDIDO MORTO": O DISCURSO REACIONÁRIO NO FACEBOOK À LUZ DA ANÁLISE DE DISCURSO DE LINHA FRANCESA

Autora: Evelyn de Souza Mayer de Almeida (UEL)

Resumo: O presente resumo tem por objetivo analisar o discurso reacionário brasileiro na mídia social Facebook, sob a ótica da Análise de Discurso (de linha francesa), averiguando as condições de produção (CPs), a formação discursiva (FD), a ideológica (FI) e observar como tais discursos, considerando o sócio-histórico, são construídos. Para tanto, será feito um trabalho de cunho bibliográfico, por meio de um levantamento teórico acompanhado de análise de corpus. A seleção do corpus ocorreu a partir da realidade política apresentada nesta ferramenta social no momento atual. A imagem selecionada é considerada “memes” (termo grego que significa “imitação”) e utilizada neste ambiente virtual a fim de “viralizar” informações, sátiras, posicionamentos. Foi escolhido um meme de uma página reacionária dedicada ao público que apoia o serviço militar, policial, a pena de morte, a liberação das armas ao cidadão civil, a legítima defesa e a vingança como forma de justiça.

Supõe-se que a ideologia reacionária e seu discurso, na ferramenta Facebook, apresenta diferentes discursos, como a defesa à legalização da venda de armas; contrariedade às ideologias revolucionárias; uso do discurso religioso como apoiador do que entendem por legítima defesa, bem como apresenta posicionamentos políticos ligados à ideologia religiosa, preconceitos e ao discurso de ódio.

 

Titulo da comunicação: ETHOS E ESTEREÓTIPOS NO DISCURSO DE AUTOAJUDA PARA MULHERES DE SUCESSO FINANCEIRO E PROFISSIONAL

Autora: Rafaela de Paula Verni (UNESP/SJ Rio Preto/CAPES)

Resumo: Dando continuidade às reflexões sobre o discurso de autoajuda, já iniciadas por Brunelli (2004), esse trabalho investiga obras que se dirigem diretamente a mulheres. O objetivo proposto é analisar o ethos do discurso de autoajuda para mulheres, elegendo, como córpus, obras que tematizam finanças e/ou sucesso profissional. Este trabalho está baseado no aparato teórico-metodológico da Análise do Discurso de linha francesa, destacando-se dele a noção de ethos discursivo, conforme as reflexões que Maingueneau (2005) tem desenvolvido sobre o tema. Em seus trabalhos, o autor considera o ethos como a imagem relacionada ao sujeito enunciador do discurso revelado pelo próprio modo como esse sujeito enuncia. Ainda de acordo com Maingueneau (2005), a análise do ethos deve basear-se em índices de diversas ordens presentes na superfície discursiva. Desse modo, a análise do ethos, neste trabalho, centra-se na observação da expressão lexical de modalidade, que pode ser considerada uma das formas de manifestação de subjetividade. Essa análise se apoia no funcionalismo como aparato teórico-metodológico específico da Linguística como teoria auxiliar. A opção pelas obras voltadas ao público feminino permite não só aprofundar as reflexões sobre o discurso de autoajuda como também investigar como esse tipo de discurso contribui para a manutenção e/ou transformação de estereótipos. Partindo dos fundamentos da Análise do Discurso de linha francesa e das reflexões que a Psicologia Social desenvolve sobre a questão dos estereótipos, analisam-se as imagens de mulher presentes nas obras que constituem o córpus. A análise, tanto do ethos como dos estereótipos, revela a contradição do discurso de autoajuda para mulheres, que propõe à mulher um padrão de comportamento mais condizente com a sua emancipação ao mesmo tempo em que colabora com a manutenção de certos estereótipos femininos associados a seus papéis tradicionais.

 

Titulo da comunicação: DISCURSO E PODER: ENTRE DEUSES E DEMÔNIOS

Autora: Ana Luisa Loureiro Bracarense (UEL)

Resumo: Todo o discurso é um discurso de poder, uma vez que ele tende a impor verdades a respeito daquilo que irão abordar. O discurso político acaba destacando-se em relação aos outros, pelo poder ser a tônica desse tipo de discurso. O presente trabalho abordará, a partir da Análise do Discurso, o discurso proferido por Michel Temer, no dia Internacional da Mulher (2016), analisando algumas ideologias presentes e relacionando com o mito de Lilith. Observando alguns fragmentos da fala do presidente é possível perceber vozes que transpassam dizeres machistas e diminutivo da condição da mulher. Ao analisar em consonância com o mito de Lilith percebe-se que a ideia de submissão da mulher ao homem continua enraizada na sociedade. No decorrer do discurso o Presidente alegou que o conhecimento da mulher em relação à economia só ocorre no âmbito doméstico. Pode-se, então, analisar tais fragmentos em conformidade ao mito de Lilith, que ao se recusar a ser submissa a Adão desafia não só o homem como o divino (o Criador), logo afrontando o patriarcado. Dessa forma, essa pesquisa pretende explorar o posto, o subentendido e o pressuposto que o dizer aborda, demonstrando alguns efeitos de sentido trazidos por ele, trazendo o mito para o contexto da fala do Presidente. Diante disso, a partir das condições de produção que o Brasil está inserido, a constante luta pela igualdade e a data, demonstra que o discurso do presidente detém o dizer de uma sociedade, ainda, muito machista e discriminatória, demonstrando nos/pelos discursos as vozes ideologicamente perpassadas e os inúmeros efeitos de sentido por eles produzidos. Além de demonstrar que, apesar do mito marcar um ponto distante dos tempos atuais, ele diz respeito à realidade dos dias de hoje demonstrando que a consciência patriarcal/machista continua em busca de controle, poder e, consequentemente, repreensão do feminino.

Localização: Prédio 1 Sala 9 - 14h – 16h                                                          26/04/18

Eixo Temático: Estudos da Linguagem

 

Titulo da comunicação: A ALTERIDADE NA LEITURA DE TEXTOS LITERÁRIOS EM LÍNGUA ESTRANGEIRA

Autora: Aliana Georgia Carvalho Cerqueira (UNESP Assis – CAPES)

Resumo: O discurso literário possui características próprias, como a construção do sentido através da fruição semântica, do acabamento formal na configuração de um conteúdo. Uma das suas categorias que se destaca é a alteridade. Na enunciação literária, a alteridade na escrita e na leitura é inerente à própria literariedade. Desse modo, o presente trabalho objetiva apresentar uma análise da leitura de textos literários em espanhol como língua estrangeira visando a formação do leitor marcadamente hispano/latino-americano, por meio da alteridade. O trabalho teve como metodologia a pesquisa bibliográfica, com fundamentos na teoria dialógica de M. Bakhtin e seus conceitos de alteridade e dialogismo. Considerando as relações dialógicas do texto literário, o pensamento bakhtiniano apresenta-se como uma resposta teórica ao trabalho com a leitura de literatura em língua estrangeira, visando a construção intercultural. Há um deslocamento do eu e do tu na escrita/leitura do texto literário. Portanto, para atribuir significado, é necessário uma exotopia, constituída na e pela alteridade. Logo, com estratégias que evidenciem o caráter dialógico do texto literário, possibilita-se uma reflexão sobre o texto e pode-se promover a construção de si por meio do outro, pelo ato de linguagem que é a leitura, pelo olhar exotópico promovido pela enunciação literária. Fundamentam o trabalho os estudos de Abreu (2006), Bakhtin (2010 e 2011), Brait (2012), Machado (1995), Osorio (2011), Ponzio (2010 e 2007) e Sobral (2005).

 

Titulo da comunicação: AGENTIVIDADE EM SALA DE AULA DE INGLÊS LÍNGUA ADICIONAL – IDENTIDADE(S) EM ESCALA(S)

Autor: Parmênio Camurça Citó (UFRR)

Resumo: Compreendendo a linguagem como intersubjetiva e situada e que funções discursivas específicas caracterizariam papeis em sala de aula propomos analisar realizações de agentividade em interações em aula de inglês língua adicional (ILA) com base na dinâmica das ações discursivas referenciando-nos nas noções de trajetórias de participação (YOUNG; MILLER, 2004) e escalas sociolinguísticas (BLOMMAERT; WESTINEN; LEPPÄNEN, 2015; CANAGARAJAH; DE COSTA, 2016) como elementos da configuração das realizações de agentividade. A agentividade é vista como a capacidade de posicionar-se como sujeito dependente de condicionantes localmente negociadas (AHEARN, 2001; DUFF; DOHERTY, 2015; DUFVA; ARO, 2015) e está intrinsecamente ligada a componentes identitários dos agentes. Considerar escalas para além do contexto imediato da sala parece-nos fulcral para a construção de performance(s) e a configuração de papel(is) dos agentes refletindo negociação desses papeis e reconhecendo a inter-relação entre identidade(s) e agentividade(s) na mobilização em defesa de ponto(s) de vista. Pretendemos demonstrar como tipos de agentividade relacionam-se a alinhamentos e orientações ao analisar implicações de suas realizações para a dinâmica da interação vinculadas às noções de relevância e efeito na conduta interacional (perspectiva êmica). Para a análise dos movimentos na compreensão de um continuum entre menos e mais agente, referenciamo-nos no aspecto semiótico das escalas sociolinguísticas ao verificar valores atribuídos a sentidos construídos em momentos em que há conflito entre a percepção sobre objetivos de ensino (professora) e objetivos de aprendizagem (aluno/a(s)). Buscamos mostrar que ele/a(s) abandonam seus objetivos em favor dos da professora em movimentos de agentividade de mais para menos agente. A agentividade de conformação à autoridade epistêmica da professora relacionar-se-ia a adequação do/a(s) aluno/a(s) a expectativas normativas em sala(s) de aula.

 

Titulo da comunicação: OS MARCADORES CULTURAIS FRANCESES EM LA PREMIÈRE GORGÉE DE BIÈRE ET AUTRES PLAISIRS MINUSCULES

Autor: Mateus Dias Santana (UNESP Assis)

Resumo: Este trabalho tem como proposta o desenvolvimento de um projeto cujo objetivo é pesquisar e refletir sobre questões importantes para a elaboração de um método de aprendizagem da língua francesa. Com esse intuito, serão desenvolvidas reflexões sobre os marcadores culturais franceses, analisando, inicialmente, o conto, Le croissant du trottoir (DELERM, 1997, p. 20-21), do autor contemporâneo francês Philippe Delerm, selecionado de sua obra La première gorgée de bière et autres plaisirs minuscules. A obra é uma coletânea de contos contemporâneos construída a partir de recortes do cotidiano da vida moderna. O estilo de Delerm é caracterizado pela simplicidade de uma “felicidade diária”, ou como denominado pelo autor, “prazeres minúsculos”, como o primeiro gole de cerveja. O método a ser elaborado destina-se ao público acadêmico, desde alunos de Iniciação Científica aos de Pós-Graduação, que para o aprofundamento de suas pesquisas necessitam da aquisição do francês. Esta pesquisa baseia-se, inicialmente, no modelo de Giasson (1990) que se fundamenta em três polos: o leitor, o texto e o contexto, e que considera não apenas as diversas relações estabelecidas entre um polo e outro, mas também no interior de cada um deles. Assim, o leitor atua na compreensão escrita por meio de suas estruturas cognitivas (conhecimentos da língua e conhecimentos de mundo) e dos diversos processos que executa: microprocessos, processos de integração, macroprocessos, processos de elaboração e processos metacognitivos. Os marcadores culturais, no plano discursivo, podem ser observados nas intertextualidades que estão relacionados no sentido complexo língua/cultura. A dimensão da cultura linguística é complexa, pois está relacionada, no mínimo, a duas facetas distintas, apresentando a estrutural (marcadores culturais detectáveis na estrutura lexical, morfossintática e semântica), e a discursiva (os marcadores que se manifestam na intertextualidade e, de maneira mais geral, na comunidade linguístico-cultural). (AUBERT,2006).

 

Titulo da comunicação: O URRO DOS TITÃS: UMA ANÁLISE DA ESTÉTICA GROTESCA PRESENTE NO ENCARTE E NAS CANÇÕES CABEÇA DINOSSAURO E BICHOS ESCROTOS

Autora: Nayara Cristina Barbosa Batista (UNESP Assis – PPGL)

Resumo: A estética grotesca é uma categoria que valoriza os aspectos do rebaixado, do disforme, do anormal e do incongruente. De acordo com Muniz Sodré em seu livro: O império do grotesco (2002), a estética grotesca também pode produzir “uma tensão risível”, através do efeito do rebaixamento (SODRÉ, 2002). Entretanto o grotesco presente tanto no encarte como nas canções analisadas no álbum Cabeça Dinossauro (1986), do grupo musical titãs, não se propõe a causar o riso propriamente dito, mas o estranhamento pela linguagem que consequentemente gera a reflexão e o questionamento sobre o objeto alvo da crítica. A sagacidade dessa vertente do grotesco busca um amargo sarcasmo, e o riso fica relegado nessa perspectiva a ironia. O disco Cabeça Dinossauro (1986), é composto por treze músicas, entretanto este trabalho analítico pretende se ater somente a duas canções e ao encarte. O motivo de analisar somente duas canções, deve-se ao fato de que as canções que serão apresentadas neste trabalho são as que mais apresentam aspectos da estética grotesca. O presente trabalho, visa uma análise acerca dos aspectos da estética grotesca nas canções Bichos Escrotos e Cabeça Dinossauro do grupo Titãs e também do encarte do álbum homônimo Cabeça Dinossauro (1986). Pretende-se ainda compreender como essa estética é utilizada como resposta ao poder estabelecido. A execução das canções e o projeto estético da capa e da contracapa indica tratar-se de uma abordagem pensada com o intuito de suscitar a reflexão crítica acerca das relações de poder presentes nos estratos sociais.

Localização: Prédio 1 Sala 10 - 14h – 16h                                                          26/04/18

Eixo Temático: Análise Dialógica do Discurso

 

Titulo da comunicação: ONCE UPON A TIME... REAÇÕES DIALÓGICAS NA ENUNCIAÇÃO VERBOVOCOVISUAL SERIADA

Autora: Thainá Pereira Gonçalves (UFG CAC)

Resumo: O presente projeto trata-se de uma pesquisa descritiva, interpretativa e analítica das relações dialógicas que se instauram por meio da interação entre os sujeitos personagens na enunciação da série da AMC: Once Upon a Time. Consideramos analisar as interações entre as personagens Rainha Má, Branca de Neve, Emma Swan e Rumplestilskin, observando o modo como acontece, por exemplo, a relação bem e mal, uma vez que, na enunciação em estudo não basta analisar os sujeitos com base nos estereótipos dos contos de fada aos quais a série possui referência. Isso significa dizer que, aqui, vida e arte entram em cena juntamente com o sujeito dialógico-ideológico que transforma os outros sujeitos personagens e por eles é transformado na interação do grande diálogo que constitui Once Upon a Time. Sob essa perspectiva, ao elegermos os enunciados que compõem a enunciação verbovocovisual da série em estudo, traçaremos possíveis relações por meio de conceitos elaborados pelo Círculo de Bakhtin como diálogo, enunciado, enunciação, cronotopo, entonação, vida e arte, entre outros (BAKHTIN/VOLOCHÍNOV, 2009; BAKHTIN, 1987; BAKHTIN, 1997; BAKHTIN, 2010; MEDVIÉDEV, 2012; VOLOCHÍNOV,2013), com vistas à análise do corpus. Portanto, analisar os enunciados que operam na contradição das personagens analisadas que se remodelam durante a narrativa seriada possibilita trazer à tona as vozes e os diálogos que compõe a referencialidade da série com os clássicos contos de fadas para investigar a construção dos sujeitos personagens. Logo, ao considerar tais instâncias para análise, entendemos que as relações dialógicas na enunciação verbovocovisual são construções que significam de modo singular “bem” e “mal” em Once Upon a Time.

 

Titulo da comunicação: VERBOVOCOVISUALIDADE EM REPOSTER SKOL

Autora: Gabriella Cristina Vaz Camargo (UFG - CAC)

Resumo: No dia 8 de março de 2017, em homenagem às mulheres pelo Dia Internacional da Mulher, a Skol publicou em sua página no Facebook e também em seu canal no Youtube, o vídeo Reposter Skol, da campanha publicitária “Redondo é sair do seu passado”, em que a empresa propôs a substituição de pôsteres de campanhas anteriores por novos pôsteres. Para essa substituição, a empresa convidou oito artistas, todas mulheres, para refazerem esses pôsteres, de modo que redimensionasse o lugar que o feminino ocupa nessas propagandas, desconstruindo, assim, o estereótipo, disseminado pela Skol há anos, da mulher perfeita: com corpo escultural. Dessa forma, o objetivo deste trabalho é analisar Reposter Skol enquanto um enunciado verbovocovisual, em que consideramos os extratos verbais (palavras), vocais (som/voz) e visuais (imagens) de modo a comporem o todo arquitetônico do material em estudo, não sendo possível, assim, analisá-lo de modo fragmentado. Buscaremos através dos escritos do Círculo de Bakhtin os aparatos teóricos para pensarmos a verbovocovisualidade do enunciado, e para isso, tomamos como método de pesquisa, o método dialógico em que descrevemos, analisamos e interpretamos o corpus. E, assim, esperamos que por intermédio desse trabalho, seja possível discutir acerca dos sentidos produzidos em Reposter Skol, bem como evidenciar o funcionamento dialógico da linguagem.

 

Titulo da comunicação: TRAVIS BICKLE EM TAXI DRIVER (1976), DE MARTIN SCORSESE: UMA PERSONAGEM DIALÓGICA NA ENUNCIAÇÃO VERBOVOCOVISUAL

Autora: Lizandra Belarmino de Moura (UFG-CAC)

Resumo: Através da análise das obras do grande escritor russo, Fiódor Mikhailovitch Dostoiévski (1821-1881), Bakhtin trabalha a sua tese principal, o diálogo. Este é responsável, dentre outras estâncias, pela revelação das personagens não-acabadas em si, ou nos limites do romance. Segundo Bakhtin, Dostoiévski permitiu que suas personagens se desenvolvessem a tal ponto delas mesmas alcançarem uma autoconsciência. Dito tudo isto, entendemos que a enunciação fílmica Taxi Driver (1976), de Martin Scorsese se constitui desta mesma matéria do diálogo, com o sujeito-personagem Travis Bickle (interpretado por Robert De Niro). Nesta pesquisa, portanto, dedicamo-nos a analisar, a descrever e a interpretar os enunciados verbovocovisuais eleitos a partir da enunciação fílmica, com a finalidade de desenvolver essa hipótese do diálogo que existe na obra. A análise se concretiza a partir dos enunciados proferidos por Travis durante seus monólogos, ou seja, suas falas enquanto narra sua escrita no diário, ou suas conversas “consigo mesmo” durante suas viagens com o táxi. O aporte teórico e metodológico vem da teoria dialógica da linguagem do Círculo de Bakhtin; sendo assim, cabe salientarmos que, por mais que os integrantes do Círculo não tratem diretamente de elementos da linguagem audiovisual, eles nos dão pistas que nos autorizam a analisar tais enunciados (verbovocovisuais). Nisso, expressamos a nossa colaboração para com a área de análise de discursos de mídia. Bakhtin tinha em mãos o material impresso para analisar; nós temos o material verbovocovisual, que nesta obra é, também, uma expressão do diálogo.

 

Titulo da comunicação: CLARA DOS ANJOS: A TRANSCODIFICAÇÃO DA LITERATURA PARA OS QUADRINHOS

Autora: Adriana Carrion de Oliveira

Resumo: Esta pesquisa analisa os processos de adaptação na obra Clara dos Anjos em quadrinhos, de Marcelo Lelis e Wander Antunes, lançada em 2011 pela Companhia das Letras e compara com o romance literário Clara dos Anjos, de Lima Barreto. É notório que o mercado editorial dos quadrinhos está em constante ascensão, devido à aceitação pelos jovens, já que a linguagem dos quadrinhos se aproxima mais do mundo juvenil. A pesquisa realiza um estudo comparativo entre a narrativa literária e a obra em quadrinhos, buscando mostrar que as adaptações não necessitam de total fidelidade à obra de partida, sendo submetidas às técnicas e processos de criação, utilizando-se de recursos próprios dos quadrinhos para se chegar à outra obra. O estudo pretende analisá-las sob a luz da Literatura Comparada e da teoria de adaptação; para tanto, investigam-se os recursos da linguagem, proporcionando especificidade de cada uma; dessa forma, partimos da premissa de que a adaptação em quadrinhos estabelece um diálogo intertextual com a obra de partida. Tal estudo baseou-se em autores como Linda Hutcheon, Bakthin, Will Eisner, Waldomiro Vergueiro, Moacy Cirne, dentre outros. A metodologia utilizada fundamentou-se em pesquisa bibliográfica e estudos comparativos entre o romance de Lima Barreto e a obra homônima em quadrinhos.

Localização: Prédio 1 Sala 10B - 14h – 16h                                                         26/04/18

Eixo Temático: Análise Dialógica do Discurso

 

Titulo da comunicação: LETRAS DE MÚSICAS COMPOSTAS DURANTE O REGIME MILITAR E OS SENTIDOS COMPREENDIDOS POR MEIO DA ANÁLISE DO DISCURSO BAKHTINIANA

Autora: Cristiane Magalhães Bissaco (PUC-SP)

Co-autor: Jozuel Vitorino de Moura (UNESP-Marilia)

Resumo: O trabalho proposto tem como objetivo analisar o discurso em uma perspectiva bakhtiniana de dois portadores textuais, quais sejam duas letras de músicas de Chico Buarque produzidas durante o regime militar, um período em que a censura exercia forte controle sobre as produções artísticas (1968-1974), são elas: Cálice (1973) e Acorda, amor (1974). Fazem parte do escopo teórico obras que nos possibilitam discutir conceitos como compreensão de sentidos, signo ideológico e ideologia na perspectiva bakhtiniana, tais como, “A construção da Enunciação e outros ensaios” (VOLOCHÍNOV, 2013), “Marxismo e Filosofia da Linguagem” (BAKHTIN; VOLOCHÍNOV, 2009), “Para uma filosofia do ato responsável” (BAKHTIN, 2010), “O método formal nos estudos literários: introdução crítica a uma poética sociológica” (MEDVIEDEV, 2010) e “Estética da Criação Verbal” (BAKHTIN, 2003), bem como fontes de outros pesquisadores que propiciam o diálogo entre o que está posto por Bakhtin e seu Círculo e seus possíveis desdobramentos (PONZIO, 2013; FARACO, 2003). Metodologicamente busca-se analisar os recursos discursivos utilizados para que o não-dito seja compreendido, assim como analisar o contexto histórico em que as letras de música foram compostas, a experiência simbólica e como, de fato, a ideologia se materializa no sujeito. Assim, o seguinte trabalho está estruturado, em um primeiro momento, pela discussão sobre a censura no período do regime militar envolvendo as obras do compositor Chico Buarque; em um segundo momento, pela discussão dos conceitos bakhtinianos, e finalmente, apresentamos a análise das canções e seus contornos discursivos. A partir das análises realizadas, é possível compreender que o discurso vem imbricado de sentidos e ideologia, bem como, associar o compositor a seu contexto histórico-social. Nesse sentido, evidenciamos a relação de força exercida pelo papel da censura, o que influencia diretamente na rejeição de uma canção assinada pelo compositor e a aprovação de outra que se vale de um pseudônimo.

 

Titulo da comunicação: IGUALDADE DE GÊNERO NO BRASIL: UMA ANÁLISE DISCURSIVA SOBRE EMBATES DIVERSOS

Autora: Ana Lucia Furquim Campos – Toscano (UNI-FACEF)

Co-autora: Laura Pereira Teixeira (UNI-FACEF-bolsista IC CNPq)

Resumo: Os debates sobre a questão da igualdade de gênero ganham, cada dia mais, destaque nas diversas esferas de comunicação humana, difundidos por meio das conversas cotidianas, das redes sociais e até mesmo por projetos de leis. O tema divide opiniões e cria polêmicas, como a manifestação realizada contra a filósofa Judith Butler, em novembro de 2017, quando esteve em São Paulo para a realização de um seminário, causando revolta em grupos que se posicionam contrários à abordagem sobre gêneros, e consideram-na uma ameaça aos princípios da família. Contudo, a manifestação contou também com apoiadores que vislumbram no debate sobre o assunto a garantia da igualdade de direitos para aqueles que não se encaixam no binarismo feminino/masculino. Pode-se verificar que diferentes axiologias são veiculadas no discurso de cada um desses grupos, a fim de fazer com que sua opinião prevaleça perante a do outro. Dessa maneira, temos como objetivo analisar quais são as ideologias existentes nesses discursos, como elas refletem e refratam a opinião de tais grupos sociais e consequentemente, como essas opiniões modificam o pensamento da sociedade. Dentre os vários materiais que foram publicados na internet sobre o assunto, compõem nosso corpus a declaração de Butler para o jornal online da Folha de São Paulo, publicada em 19 de novembro de 2017, e um vídeo sobre a manifestação, veiculado pela TV Brasil no site Youtube. Como referencial teórico-metodológico, utilizamos as reflexões do Círculo de Mikhail Bakhtin sobre dialogismo e ideologia, e os estudos de alguns de seus comentadores, como Brait (2005), Miotello (2005) e Faraco (2013). Ainda, na esfera filosófica, pautamo-nos em Chauí e, a respeito das questões de gênero, baseamo-nos nos estudos de Butler. Ressaltamos, por fim, que o presente trabalho se encontra em andamento, sendo uma pesquisa de Iniciação Científica financiada pelo CNPq.

 

Titulo da comunicação: A ENTOAÇÃO EM TEXTOS MIDIÁTICOS SOBRE POLÍTICAS PÚBLICAS DE ALFABETIZAÇÃO NO BRASIL: UMA ANÁLISE DIALÓGICA DO DISCURSO

Autora: Renata Siqueira (UFMT-CAPES)

Resumo: Este trabalho tem por objetivo analisar as características da entoação nos textos midiáticos sobre políticas públicas de alfabetização no Brasil. Para isso, recorremos aos pressupostos teóricos de Bakhtin e o Círculo (1929; 1926; 1952-53; 1970- 1971/1979; 1974/1979) que abordam a linguagem como um processo sócio-histórico-cultural. Utilizamos dos apontamentos teórico-metodológicos da Análise de Discurso Dialógica (ADD), conceito cunhado por Beth Brait (2006), sob o viés dos estudos bakhtinianos. Observamos diferentes enunciados divulgados em campanhas publicitárias do Governo Federal, veiculadas em horários de ampla audiência nos canais de televisão, enfatizando o “sucesso” das políticas públicas de alfabetização brasileira. Contemplamos algumas características da entoação - o horizonte espacial e ideacional compartilhado - para demonstrarmos o quanto a entoação contribui para a compreensão ativa da relação entre o dito e o não dito dos textos publicitários que buscam persuadir ou convencer os telespectadores de que a alfabetização no Brasil “quase não existe”, também, que as políticas públicas promissoras têm conseguido obter “sucesso”. As análises dos materiais midiáticos proporcionaram momentos de significativas reflexões acerca das práticas pedagógicas das escolas públicas brasileiras, compreensão crítica dos elementos publicitários e contextos ideológicos presentes “por trás” das cortinas dialógicas dos discursos cotidianos das esferas da comunicação humana. Esta pesquisa está vinculada ao Grupo de Estudos Linguísticos e de Letramento – GELL/UFMT.

 

Titulo da comunicação: A ORDEM METODOLÓGICA DO ENSINO DE LÍNGUA APLICADA A PROPOSTA CURRICULAR DIREITO DE APRENDER: LIMITES E POSSIBILIDADES

Autora: Rosângela Gonçalves Cunha  (UFBA)

Resumo: Este trabalho está ancorado nos pressupostos dos Estudos Dialógicos da Linguagem, depreendidos na ordem metodológica do ensino da língua, proposto por Mikhail Bakhtin e o Círculo. O referido arcabouço teórico-metodológico é investigado na proposta curricular Direito de Aprender, publicada pela secretaria da educação do município de Juazeiro - Bahia, com o objetivo de identificar como o estudo do gênero tem chegado a escola e se esta abordagem tem sentido em sua utilização pratica. Parte-se do princípio que se reconhece os avanços nas pesquisas sobre os estudos bakhtinianos para a prática de ensino, bem como as descobertas acerca das estratégias utilizadas pelos usuários da língua no processo de ensino e aprendizagem da língua portuguesa na escola e, neste âmbito, importou investigar quais os limites e possibilidades encontrados pelos professores de língua portuguesa na missão de explorar o ensino e a aprendizagem de uma língua viva, através da perspectiva discursiva dos estudos da linguagem. Adotou-se como estratégia metodológica a análise documental da proposta curricular de Juazeiro-BA, aplicação de um questionário aos professores, e também visitas a secretaria de educação e escolas, afim de compor instrumentos que pudessem favorecer a análise qualitativa de orientação bakhtiniana. A análise dos resultados permitiu concluir que a proposta curricular Direito de Aprender apresenta indícios do embasamento teórico proposto pela teoria bakhtiniana para o ensino da língua. Porém apresenta desvio ao propor o trabalho voltado para gêneros textuais e não gêneros discursivos. Claramente opõe-se ao ensino tradicional da língua, mas se assumisse mais explicitamente a sua opção teórico-metodológica, mais vinculada aos estudos dialógicos da linguagem, potencializaria, ainda mais, os seus resultados.

Localização: Prédio 1 Sala 10C - 14h – 16h                                                         26/04/18

Eixo Temático: Análise Dialógica do Discurso

 

Titulo da comunicação: O ACONTECIMENTO CRONOTÓPICO E OS ENTRE-LUGARES NO MUSEU DE ARTE MODERNA DE NOVA YORK: UM OLHAR A PARTIR DE BAKHTIN

Autor: Rafael Junior de Oliveira (UFLA)

Co-autora: Caroline Aparecida de Lima (UFLA)

Resumo: O presente trabalho busca analisar a intervenção do grupo Manifest.Ar, que se utiliza da realidade aumentada, isto é, o uso da tecnologia para inserção de objetos, imagens, vídeos, etc. em ambientes reais, neste caso, no Museum of Modern Art de Nova York no ano de 2012. Esse acontecimento levantou uma polêmica teórica-epistemológica acerca do lugar do museu, pois o que é esse lugar? Há um lugar específico para a arte? Em que lugar se situa a arte na modernidade, principalmente, frente às novas tecnologias? Tais questionamentos são relevantes para os estudos do discurso, visto que, faz-se necessário desvendar quais são as representações feitas de arte e do(s) lugar(es) da arte. Objetiva-se, nesse sentido, analisar como a realidade aumentada, proposta pelo grupo Manifest.Ar, constitui os sujeitos-espectadores construindo e desconstruindo representações do que seja arte. Para tanto, utiliza-se do referencial bakhtiniano os conceitos cronotopo (Bakhtin, 2011) e acontecimento (Bakhtin 2012) para se pensar no evento de intervenção no museu e seus aspectos espaço/temporais que constituem e singulariza esse evento enquanto um acontecimento único. Além disso, afim de responder a uma das questões supracitadas, recorre-se à discussão presente no livro Local da Cultura (Bhabha, 2007), especificamente, ao conceito de entre-lugar. O autor ao discutir o lugar da arte/cultura nas sociedades modernas possibilita a reflexão acerca das interrelações que constituem e criam representações desses lugares ou entre-lugares, complementando diretamente ou indiretamente as discussões do Círculo de Bakhtin. Metodologicamente, pode-se dizer que neste artigo se utiliza de uma metodologia analítico-descritivo-interpretativa que busca relacionar como os conceitos citados anteriormente e o acontecimento no museu se colocam frente aos processos discursivos que constituem os sujeitos.

 

Titulo da comunicação: A CONSTRUÇÃO DO SUJEITO NA ENUNCIAÇÃO DIVERGENTE – UMA ESCOLHA PODE TE TRANSFORMAR, DE VERONICA ROTH

Autor: Cairo Joseph dos Santos Ferreira (UFG Catalão)

Resumo: Os estudos discursivos bakhtinianos pensam o enunciado verbal e sua constituição dialógica no funcionamento da linguagem a partir do gênero discursivo, aqui, o literário. Assim, entende-se que o sujeito, tecido e tecelão da linguagem, é constituído socialmente pelos diálogos, ideologias, conflitos que compõem a enunciação. O corpus do presente estudo é o romance Divergente – uma escolha pode te transformar, doravante denominado Divergente, de Veronica Roth (2012), sendo seu recorte quatro enunciados verbais para a descrição, análise e interpretação, a partir dos pressupostos teóricos do Círculo de Bakhtin, especialmente, com fundamento nas obras Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem (2014), de Mikhail Mikhailovitch Bakhtin (V. N. Volochínov), Estética da criação verbal (2000), de Mikhail Mikhailovitch Bakhtin e Estrutura do enunciado (s/a), de V. N. Voloshinov. A pesquisa, parte da seguinte problematização: Como ocorre a construção do sujeito Beatrice na enunciação Divergente? Hipotetiza-se que o sujeito Beatrice seja constituído socialmente, diante da interação verbal na relação com o outro, portanto, trata-se de um sujeito dialógico-ideológico construído na e pela linguagem do romance. Ressaltando que o sujeito é formado de fora para dentro, e não permanece o mesmo porque a sociedade na qual ele está inserido o transforma. A comunicação tem por objetivo refletir sobre a construção do sujeito Beatrice, protagonista da história, na enunciação Divergente. Além de descrever, analisar e interpretar o corpus, bem como averiguar a produção de sentidos da construção do sujeito, a metodologia utilizada é descritivo-analítica de caráter interpretativo. Assim, percebe-se que Beatrice/Tris se constitui como sujeito dialógico-ideológico diante da interação verbal com os demais personagens do romance, particularmente, com Tori, Eric, Natalie. Pode-se concluir que a produção de sentidos da construção do sujeito se concretiza quando ele, convictamente, se autodenomina: “Eu sou Divergente”.

 

Titulo da comunicação: LITERATURA E ARTE PLÁSTICA: INTERSECÇÕES

Autora: Maria Luiza Guarnieri Atik (Mackenzie)

Resumo: Bakhtin, em seus estudos sobre a criação literária (Estética da criação verbal) propõe novas maneiras de ler o texto de ficção, abrindo perspectivas diferentes para os estudos literários, no que se refere ao diálogo e ao estabelecimento de correlações entre o sistema literário e outros sistemas artísticos. Na contemporaneidade, o surgimento da Intermidialidade veio preencher uma lacuna dos estudos literários e suas relações com outros sistemas semióticos. Claus Clüver, em seu artigo “Intermidialidade”, ao conceituar e exemplificar as referências intermediáticas, ou seja, textos de uma única mídia que evocam de maneiras diversas textos específicos ou qualidades ge néricas de uma outra mídia, destaca também a importância do estudo da écfrase na construção de narrativas ficcionais. O presente trabalho pretende analisar o modo como a trama, no conto “Tanto amor”, de autoria da escritora americana Susan Vreeland, se delineia para representar o sujeito que se erige na tessitura narrativa, como também, examinar o jogo de verdades e/ou mentiras que o processo ecfrástico desvela no embate entre o narrador, um artista e professor de arte e Cornelius Engelbrecht, professor de matemática. Em nossa análise da representação do sujeito e da representação do texto pictórico verbalizado no conto, atentaremos também para os efeitos estéticos que esses mecanismos da expressão produzem na organização textual.

 

Titulo da comunicação: PROJETO DISCURSIVO E COMPOSIÇÃO ARQUITETÔNICA NA PROSA LITERÁRIA DE BRUNO DE MENEZES

Autora: Ana Cleide Vieira Gomes Guimbal de Aquino (UFRA)

Resumo: Bruno de Menezes possui uma obra vasta, que passa por prosa, poesia e folclore. O presente estudo tem por objetivo apresentar a arquitetônica do mundo artístico do escritor paraense, em especial com enfoque para sua prosa literária, com a utilização de conceitos como conteúdo temático, forma composicional e estilo a partir de excertos de algumas de suas obras. Tendo como fundamento teórico-metodológico os estudos de M. Bakhtin (2004, 2008, 2010a, 2010b), que partem da materialidade enunciativa, serão apresentados os conceitos citados partindo do conceito maior de gêneros do discurso, analisando a obra de Menezes como uma real unidade de comunicação discursiva e não apenas linguística. Nesse sentido, a fundamentação teórica, baseada nas obras de Mikhail Bakhtin e seu Círculo, auxiliam a caracterizar essa literatura, os valores sociais que veicula, o estilo, o projeto discursivo do autor e a composição arquitetônica das obras. Nas análises, consideram-se como interlocutores, os críticos literários do autor, em especial, no que diz respeito às imagens cunhadas por eles, que se referem ao autor como: o escritor dos marginalizados, a voz que sai dos tambores (Benedito Nunes), o operário do verso (José Arthur Bogéa), a alma do povo (Abguar Bastos), o coração do subúrbio, do terreiro e dos arraiais (Dalcídio Jurandir), o poeta proletário/o poeta da gente simples (Santana Marques), entre outros. Todas essas denominações podem ser encontradas de forma esparsa, na Revista Asas da Palavra (1996) e nos ensaios presentes no livro Bruno de Menezes ou a sutileza da transição (1994). Como resultado das análises confirmam-se alguns dos epítetos atribuídos pela crítica, bem como relações dialógicas com outros textos.

Localização: Prédio 1 Sala 11 - 14h – 16h                                                         26/04/18

Eixo Temático: Análise Dialógica do Discurso

 

Titulo da comunicação: OS DESENCONTROS QUE PERMEIAM AS INTERAÇÕES E O PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE UM MENINO AUTISTA NO ENSINO-REGULAR

Autora: Elexandra Martins de Souza Amaral (UFMT)

Resumo: Este trabalho apresenta algumas descobertas de uma pesquisa de mestrado em andamento, vinculada ao Grupo de Estudos Linguísticos e de Letramento (GELL/UFMT/CNPq), e pretende refletir sobre as interações de um estudante do ensino fundamental portador do Transtorno do Espectro Autista (TEA) inserido em uma escola inclusiva do município de Cuiabá-MT com sua professora de Língua Portuguesa e com seus colegas, além do seu processo de ensino-aprendizagem. Para tanto, a pesquisa está ancorada na teoria bakhtiniana (1929; 1952-53; 1970-1971/1979; 1974/1979) e nos pressupostos teóricos de Lev Vigotski sobre ensino-aprendizagem, desenvolvimento e “defectologia” (1930; 1934, 1983). Ademais, fazem parte de nosso arcabouço teórico alguns estudiosos do autismo (Orrú, 2006; Gomes, 2015; Whitman, 2015).  A metodologia abordada é de caráter qualitativo, de natureza crítico-dialógica e participativa, sendo que o corpus é composto por registros em vídeo de algumas observações das aulas de Língua Portuguesa e de algumas produções feitas por esse sujeito em ambiente escolar. As reflexões apontam para a necessidade de formações pedagógicas específicas e para a urgência de uma melhor articulação entre os seguimentos envoltos na educação de estudantes com necessidades especiais. Os dados obtidos sugerem, ademais, que é preciso repensar a integração e a inclusão dos alunos portadores de necessidades especiais no ensino regular.

 

Titulo da comunicação: O DISCURSO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS NO DISCURSO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA

Autora: Renata H. P. Pucci (UNIMEP – CNPq)

Resumo: O presente estudo aborda a trama discursiva que envolve o trabalho de professores de inglês que atuam na escola pública, em particular, volta-se à participação dos discursos dos documentos oficiais na constituição desses docentes. Realizando pesquisas que se ocupam de análises dos discursos em uma abordagem enunciativa e discursiva, observamos que os discursos prescritivos dos documentos oficiais (como os PCNs, por exemplo) - marcados e delimitados pelo contexto histórico e social contemporâneo, sob influências políticas e mercadológicas – influenciam na apreciação do trabalho docente. Neste esteio, o objetivo do trabalho é apresentar uma análise enunciativo-discursiva do discurso de professores de inglês da escola pública para compreender como os discursos oficiais participam da elaboração de sentidos dos docentes acerca de sua prática. Para tanto, nos apoiamos nos estudos do Círculo de Bakhtin que nos permitiu problematizar a linguagem social, dialógica e ideológica na constituição discursiva do sujeito e compreender que a relação entre discurso e realidade é sempre mediada por outros discursos. Os dados analisados foram construídos a partir de entrevistas realizadas com sete professoras de inglês que atuam em escolas públicas estaduais de uma cidade no interior de São Paulo. As análises mostram que as professoras descrevem as mudanças na própria prática pedagógica, como as estratégias para ensinar a língua, em consonância com as mudanças metodológicas propostas nos documentos oficiais de língua estrangeira moderna e com os paradigmas atuais no campo do ensino de língua estrangeira. Assim, compreendemos que as professoras falam a partir de um lugar marcado, que compila regras e expectativas compartilhadas dentro de uma estrutura educacional e de um grupo social de profissionais. Aspiramos ao compartilhar este estudo, contribuir com as discussões acerca do trabalho e da formação docente pelo viés da historicidade, considerando o discurso oficial como uma das instâncias participantes na formação do professor.

 

Titulo da comunicação: DISTRIBUIÇÃO DE TERRAS NO BRASIL: A CONSTITUIÇÃO DO SIGNO TERRA PELAS VOZES HISTÓRICO-SOCIAIS

Autora: Juliane Ferreira Vieira (UEM)

Co-autor: Edson Carlos Romualdo (UEM)

Resumo: Esta proposta, que integra a tese Identidade de acadêmicos sem terra do Mato Grosso do Sul: uma análise bakhtiniana das vozes constituintes de seus relatos pessoais, objetiva apresentar vozes histórico-sociais constitutivas do signo terra discordantes e consoantes à distribuição de terras no Brasil. Adota-se como aporte teórico-metodológico os estudos do Círculo de Bakhtin, o qual compreende que o signo é construído ao longo da história e nas interações humanas, constituindo-se no lugar onde o Eu e o Outro encontram-se, o que revela ser ele um lugar de concordâncias e discordâncias ideológicas. Nessa perspectiva, Bakhtin defende que todo signo é uma arena de disputas ideológicas e, no processo de sua constituição, ideologias incorporam-se ao signo linguístico, tornando-o signo ideológico. Compreende-se, assim, que são os homens que constroem os signos e por isso carregam ideologias de grupos sociais antagônicos e não as de um indivíduo. Por esse viés, apreende-se que história não é um marco recortado no tempo, mas é um fluxo ininterrupto de interações entre sujeitos. Diante disso, selecionamos vozes histórico-sociais que retratam os caminhos trilhados pelo signo terra em sua constituição. Essas vozes retomam eventos histórico-discursivos, que norteiam a constituição do signo terra por meio de olhares de dois grupos: um contra a distribuição de terras no Brasil e outro a favor. Nessa ótica, como vozes discordantes, entendemos eventos, como a Lei de Terras de 1850, a Constituição Federal de 1946 e o Governo Militar, já como vozes consoantes a proposta de reforma agrária do Partido Comunista Brasileiro (PCB) em 1946, as Ligas Camponesas e o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST). Verifica-se que o signo terra deixa de significar a realidade em si, como “pó” e “planeta”, para, em um movimento de palavra.

 

Titulo da comunicação: O QUE DIZEM OS ALUNOS SOBRE A LEITURA E O QUE AS PROVAS DE LEITURA DIZEM QUE DIZEM SOBRE ELES?

Autora: Thais Inae Froeder Rosa (PPGEL/UFMT)

Resumo: O presente trabalho – que surge a partir de uma pesquisa de mestrado em andamento – faz parte dos estudos desenvolvidos pelo GELL – Grupo de Estudos Linguísticos e de Letramento – CNPq/PPGEL/UFMT e tem como objetivo apresentar algumas reflexões referentes à análise dos discursos sobre concepções de leitura apresentadas por estudantes do final do ciclo da educação fundamental (9º ano), comparando-as às concepções e discursos sobre leitura apresentados dentro de documentos que têm como propósito reger a avaliação da leitura dos estudantes da educação básica. Para tanto, seu corpus é composto por alguns dados retirados dos resultados de questionários aplicados a alunos de três turmas de nono ano de uma Escola Estadual de Mato Grosso, na capital Cuiabá, assim como do recorte de alguns dos documentos referentes à Prova Brasil, parte integrante do Sistema de Avaliação da Educação Básica (SAEB), pela qual esses mesmos estudantes são avaliados nos anos finais de cada ciclo escolar. Para isso, orienta-se nos estudos de Bakhtin e o Círculo (1929; 1952-53; 1970-1971/1979; 1974/1979), assim como nas discussões sobre Letramento Crítico que tem como base Freire (1987, 1986), Street (2008), Cassany (2005), Pereira (2008, 2009) e Paes de Barros (2012, 2014, 2016). Para a análise do corpus foi utilizada a Análise Dialógica do Discurso, a partir de pressupostos de Brait (2006).

 

Titulo da comunicação: O SUJEITO ALUNO CONTEMPORÂNEO: UM OLHAR DIALÓGICO PARA O ENSINO FUNDAMENTAL

Autora: Nádia Cristina da Silva Santos (PPGEL/UFMT/FAPEMAT-CAPES)

Resumo: O presente trabalho faz parte de uma pesquisa maior (tese de doutoramento) que busca analisar um projeto de intervenção realizado por alguns integrantes do Grupo de Estudos Linguísticos e de Letramento – GELL/UFMT em uma escola pública periférica da cidade de Cuiabá, Mato Grosso e tem como objetivo, aqui, caracterizar o sujeito aluno contemporâneo do Ensino Fundamental sob um viés dialógico. Para isso, recorremos aos pressupostos teóricos de Bakhtin e o Círculo (1920-1924; 1920-1930/1979; 1970-1971/1979) e de alguns autores que se propõem a estudá-los, principalmente nos aspectos relacionados ao conceito de sujeito. Dessa forma, busca-se compreender esses alunos a partir de seus discursos no âmbito de algumas aulas de língua portuguesa ministradas no ano de 2017 na escola estudada, utilizando como categorias de análise alguns conceitos bakhtinianos como: sujeito ativo/responsável, cronotopos, exotopia, compreensão ativa, dentre outros. Isso se faz necessário mediante o contexto atual no qual, muitas vezes, esses sujeitos não são escutados ativamente e permanecem, também, dispersos por não encontrarem sentido para o que estão aprendendo. Os dados discursivos serão de alguns alunos que faziam parte do 8º ano A e B do Ensino Fundamental.Portanto, nos ancoraremos em uma abordagem dialógica do discurso (Brait 2006) para qual os dados nos revelam o que precisa ser analisado.

Localização: Prédio 1 Sala 12 - 14h – 16h                                                         26/04/18

Eixo Temático: Análise Dialógica do Discurso

 

Titulo da comunicação: O MEME COMO GÊNERO DISCURSIVO – CONCEITOS BAKHTINIANOS SOBRE OS NOVOS DISCURSOS DA INTERNET

Autora: Maria Alice de Castro Alves (UNESP Assis - PROFLETRAS)

Resumo: O presente trabalho advém de um capítulo de fundamentação teórica de uma pesquisa que tem como objetivo principal propor um trabalho com o gênero discursivo meme em aulas de língua portuguesa, considerando aspectos linguísticos, discursivos e sociais dessa prática recente que circula nas redes sociais. Desta maneira, o capitulo em questão analisa o meme como um fenômeno cultural e uma forma de comunicação consolidada na rede. Para tanto, utilizamos o método sociológico de fundamentação bakhtiniana, segundo o qual a linguagem é tratada como um elemento concreto e seus usos estão ancorados em um contexto social, histórico e ideológico, que envolve sujeitos com um propósito de dizer. Entendemos assim, os replicadores de meme como sujeitos que falam levando em conta o outro - não como parte passiva, mas como parceiro ativo, sendo esta uma atividade dialógica, na qual a produção de um texto – meme - gera outros textos e a compreensão não se constitui em um ato passivo, mas em uma resposta ativa caracterizada por uma tomada de posição diante deste texto. Desta maneira, concluímos que o meme se caracteriza como gênero discursivo, baseando-nos nos estudos bakhtinianos de estudos da linguagem (BAKHTIN/VOLOCHINOV, 2014 [1929]; BAKHTIN, 2010 [1979], ROJO; BARBOSA 2015).

 

Titulo da comunicação: O ESTATUTO DE VALOR NA (DES)CONSTRUÇÃO DA NOÇÃO DE INFÂNCIA NO FILME DE ANIMAÇÃO “O PEQUENO PRÍNCIPE”

Autora: Lilian Regina Gobbi Bachi (UEM)

Resumo: Todos os fenômenos que nos cercam estão fundidos com julgamentos de valor determinados socialmente, que se instituem a partir do valor que damos aos fatos. Diante desta afirmativa, nosso trabalho tem por objetivo investigar a (des)construção da noção de infância no filme de animação O Pequeno Príncipe, de Mark Osborne, lançado em 2015. Para tanto, partimos da hipótese de que esse movimento se constitui axiologicamente ao longo da história e é refretado no filme. A axiologia encontra-se na base dos pensamentos de Mikail Bakhtin e do Círculo e está ligada às diferentes visões de mundo que coabitam socialmente. Pretendemos mostrar como a axiologia é fundamental na construção da narrativa, das noções de criança e da própria coerência da animação. Desse modo, buscaremos: i) analisar os elementos verbo-visuais presentes na forma composicional; ii) investigar os conceitos de criança construídos sócio historicamente para verificar qual/quais pode(m) ser atribuídos ao filme; iii) analisar como as noções de entonação, valoração e situação extraverbal, que compõem o conceito de axiologia, são fundamentais para compreendermos o filme de animação. Para respondermos a esses objetivos estudaremos o contexto sócio histórico em que o filme foi lançado e buscaremos bases teóricas nos estudos da linguagem e nos estudos sobre animação. Previamente, verificamos na produção de Osborne dois momentos na apresentação e na transformação da criança, que se dão no contínuo da narrativa . É a esse movimento de (des)construção que voltaremos nossa análise.

 

Titulo da comunicação: NUMA ARENA DE RATOS: ESTUDO DO ROMANCE DE DYONÉLIO MACHADO

Autor: Andrey Pereira de Oliveira (UFRN)

Resumo: O presente estudo tem como objeto de investigação o romance Os ratos, de Dyonélio Machado, publicado originalmente em 1935. Trata-se de uma narrativa protagonizada por Naziazeno Barbosa, pobre-diabo que, numa epopeia de um mundo mais do que prosaico, peregrina pelas ruas de Porto Alegre do começo do século XX a fim de conseguir dinheiro para pagar a conta do leiteiro. Seus embates com sua esposa Adelaide, com seus colegas de repartição e com seus parceiros de "cavar", suas ações ou ausência delas, bem como seus dilemas internos, suas recordações e antecipações constituem o foco da análise aqui proposta, que observa na composição discursiva da obra uma refração esteticamente elaborada do universo ideológico da raia miúda num mundo pautado pela lógica do capital. Para tanto, conceitos desenvolvidos por alguns dos integrantes do chamado Círculo de Bakhtin - mais precisamente, Pável Nikoláievitch Medviédev, Valentin Volochínov, além do próprio Mikhail Bakhtin - como "dialogismo", "ideologia", "hetorodiscurso", "exotopia", "cronotopo", "gênero", "estilo", "acabamento", "entonação", "refração", entre outros, serão acionados a fim de dar suporte às investidas de ordem analítica, cuja metodologia se orienta pela análise dialógica dos discursos. Pretende-se, com isso, contribuir com a fortuna crítica do mencionado romance, considerado uma das obras mais fundamentais da literatura brasileira.

 

Titulo da comunicação: GÊNEROS DISCURSIVOS E EXOTOPIA: UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DO DISCURSO LITERÁRIO NO FACEBOOK

Autora: Ivi Furloni (UNESP Araraquara - PPGLLP)

Resumo: O presente projeto traz como principal objetivo analisar de que forma e se os gêneros discursivos podem ser ressignificados a partir do olhar do sujeito que os lê. Para isso, pretendemos analisar o discurso literário que aparece nas redes sociais da internet. Ao que nos parece, os leitores ressignificam, na web, esse discurso e, não raramente, ao apresentar filiação no e pelo discurso de autoajuda. Sendo assim, a proposta que ora se apresenta é a de descrever, interpretar e analisar essas materialidades, que por hora chamamos de postagens, de discursos literários coletadas na rede social mais difundida entre os brasileiros, o facebook, de modo a entender esse seu funcionamento outro que ganha produção, gerência e circulação de discurso de autoajuda. A presente pesquisa busca ainda estudar se essa constituição outra do discurso literário que circula em rede constitui-se em um diálogo do gênero autoajuda com o gênero literário, ou se há o surgimento de um novo gênero. Nesse sentido, o projeto fundamenta-se em especial na potencialidade teórico-metodológica da filosofia da linguagem do Círculo de Bakhtin para pensar a noção de gênero do discurso, a partir da noção de exotopia, na materialidade discursiva em estudo, ou seja, a proposta é analisar se e/ou de que forma o leitor dá o acabamento estético ao gênero literário nesta nova forma de aparecimento do discurso literário.

Copyright © 2016 GED